Seringueiro cria xampu para carecas

Seringueiro cria xampu para carecas

CHICO ARAÚJO

BRASÍLIA – Babosa, amor-crescido, corame. A combinação dessas e de outras sete ervas e plantas da Amazônia, cujos nomes são mantidos em segredo, está revolucionado o mercado de cosméticos e devolvendo a alegria e a esperança aos carecas. A invenção, batizada de Shampoo Esperança, é do ex-seringueiro Carlos Pinto, de 51 anos. Na foto, Carlos antes (esquerda) e depois de usar o produto.

Morador da cidade de Tarauacá, no Acre, ele criou – e testou nele próprio – a fórmula de um xampu com plantas amazônicas que faz nascer cabelos em carecas. “As mulheres não me queriam mais. Eu descobri por acaso. Comecei a fazer e usei em mim mesmo. Deu certo, começou a sair cabelo”, contou Carlos Pinto, orgulhoso, ao Globo Repórter, da TV Globo, na última sexta-feira. Carlos cultiva parte da matéria-prima no quintal da sua casa. Mas o segredo da fórmula é a casca de uma árvore só encontrada no meio da mata. Para assistir a reportagem, clique aqui.

Tudo começou por acaso. Há três anos, Pinto participou de um curso sobre ervas medicinais promovido pelo Sebrae. Ao retornar para casa, na zona rural de Tarauacá, começou testar a fórmula do Shampoo Esperança – hoje um sucesso de vendas e tema de pesquisa na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A fórmula inventada por Carlos Pinto também é um poderoso medicamento. Pode ser usada contra seborréia, queda de cabelo e outros problemas dermatológicos do couro cabeludo.

Henrique Moura, diretor do Instituto de Terras do Acre (Iteracre), conheceu o invento de Carlos Pinto logo no começo. Mesmo sem levar muito a sério, testou a fórmula. “Não levei muito a sério, mas como meus cabelos estavam caindo muito rapidamente, decidi levar a amostra para casa”, conta. Moura conheceu o ex-seringueiro, em Tarauacá, durante reunião de representantes de órgãos do governo do Acre com produtores rurais e florestais da cidade.

Moura conta que Carlos Pinto chegou, sentou-se na última fila de cadeira e ficou sem dizer uma palavra até o fim reunião. “Quando tudo havia terminado, ele veio e pediu licença para falar comigo e o Gilberto Siqueira [então secretário de Planejamento do Acre]. Mostrou seu xampu que fazia nascer cabelo e me deu um frasco de presente. O Gilberto achou interessante, “mas não levei muito a sério”. Mas, em casa, Moura mostrou a novidade à mulher, que o incentivou a usar a fórmula.

“Comecei a usar e, em poucos dias, acabou-se minha queda de cabelo. Passados mais alguns dias, notei que tinham vários fios novos nascendo e fiquei animado com os resultados, que vêm melhorando a cada dia,” conta o diretor do Iteracre. Depois de comprovar a eficiência da fórmula, Moura avisou o secretário Gilberto Siqueira. A partir daí, a Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac) entrou em campo para patentear a fórmula no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) antes que fosse roubada.

Pequena fábrica

Com o sucesso da fórmula, Carlos Pinto decidiu profissionalizar o negócio. Buscou ajuda do Sebrae e do governo do Acre e construiu uma pequena fábrica nos arredores de Tarauacá. A pequena fábrica emprega nove pessoas e produz 5 mil fracos (de 250 mililitros cada) do Shampoo Esperança por mês. É tanto o sucesso, que o ex-seringueiro está com dificuldades para atender a todos os pedidos. A partir de janeiro, ele pretende dobrar a produção para 10 mil frascos.

Mas não é apenas o desempenho financeiro que deixa Carlos feliz. “Minha satisfação mesmo é quando as pessoas chegam contando que a caspa sumiu, os cabelos deixaram de cair ou estão nascendo. Gosto de saber que estou deixando as pessoas mais felizes”, diz, orgulhoso, Carlos Pinto. Em Tarauacá, o invento do ex-seringueiro é quase um milagre. “Antes eu só molhava a cabeça, passava a mão e saia. Hoje, já tenho cabelo para cortar e pentear bastante,” comemora o agente de saúde Francisco Vanderlei, em entrevista ao Globo Repórter.

Carlos explica que o xampu age de maneira diferente em cada pessoa. No caso dele, as pessoas só foram notar que o cabelo estava crescendo depois de seis meses de uso da fórmula. “Usando direto, o cabelo cresce com certeza. A maior prova sou eu mesmo,” diz Carlos. Ele tinha uma calvície acentuada, que incomodava. A careca que ela tinha, hoje, quase não dá para notar. O ex-seringueiro explica que os resultados começam aparecer a partir da segunda ou terceira semanas de uso. Para acabar a calvície, ele sugere o uso do xampu por até oito meses seguidos.

Tentaram comprar a fórmula

“Até me casei. Elas estão me achando bonito. Estão me achando lindo”, disse à TV Globo. Devido ao sucesso, Carlos conta que empresários de várias partes do Brasil o procuraram, a maioria deles querendo comprar a fórmula do xampu. Alguns, segundo ele, chegaram a lhe propor sociedade para montar a fábrica de xampu.

Segundo Carlos, muita gente ligou de várias partes do País. Dessas pessoas, cinco foram até Tarauacá a fim de comprar a fórmula do xampu. “Eu respondi pra eles que quem vende fórmula morre de fome”. O ex-seringueiro espera juntar R$ 325 mil para montar uma fábrica. Hoje, a fábrica de xampu de Carlos funciona num quartinho de 15 metros quadrados.

O produto criado por Carlos Pinto já é comercializado para o Japão, Portugal, Estados Unidos e até para Israel. O frasco do Shampoo Esperança custa R$ 25,00 e é entregue em qualquer lugar do Brasil e do mundo via Sedex. Encomendas podem ser feitas por e-mail em quantidade mínima de duas unidades. O frete é por conta do comprador. Carlos Pinto também mantém um site no ar. Nele, a pessoa encontra reportagens sobre a descoberta, além das fotos dele antes e depois de usar a fórmula. 


Comentários (0)


Deixe um comentário